Maternidade lésbica...

| |

Olá, Léz Girls...

Venho hoje para comentar uma notícia publicada na Folha On Line que muito me alegrou. Creio que algumas de vocês devem ter lido... Enfim, é disso aqui que estou falando:

“Justiça gaúcha facilita adoção por casais gays”

V. é um dos três casos registrados de adoção homoafetiva conjunta no Rio Grande do Sul e ilustra o "consenso" formado na Justiça gaúcha sobre a adoção por casais gays com união estável. Sempre que atender às exigências sócio-econômicas e psicológicas comuns aos heterossexuais, o pedido será aceito -desde que em nome dos dois.
"Fechamos um consenso na jurisprudência daqui, já é uma página virada", afirma o juiz da 2ª Vara da Infância de Porto Alegre, José Daltoé Cezar.
"Já dei dois pareceres favoráveis e continuarei dando sempre que o casal preencher os requisitos do juizado", diz a promotora da 2ª Vara, Flávia Mallmann. Além dos três casos no RS, há no mínimo um casal habilitado e dois pedidos em avaliação em Porto Alegre.

Para ler a notícia na íntegra, clique aqui:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u412544.shtml

Realmente creio que essa é uma notícia que merece ser comemorada!! Logicamente que este é o primei..., digo, o TERCEIRO passo de muitos que ainda precisarão ser dados, mas já é uma grande vitória!! Além disso, a vida é um eterno caminhar, não é mesmo?! (LezJour, guarde o momento filosofia de botequim pra mais tarde... É melhor...).

Mas esta notícia não apenas me alegra... Ela mexe comigo também... Sabem por quê?... Eu conto: Porque eis um assunto para o qual não tenho resposta, nem opinião formada - A MATERNIDADE LEZ...


E quando digo que não tenho opinião formada, não estou falando da maternidade lés/gay no sentido amplo. Até porque, no sentido amplo, sou sim à favor de que as lésbicas/gays que desejam exercer a maternidade, o façam!! Nem sequer questiono isso. Além disso, é um direito. Já no sentido pessoal (quando penso na minha própria vida e na vida pela qual eu seria responsável), já não sei. Não sei mesmo. Há mais de quatro anos tento tomar um posicionamento a respeito, mas ainda não consegui. Não cheguei a uma resposta, a um consenso interior... Entendem? É por isso (e só por isso), que me permiti fazer desta segunda parte do post de hoje, um post-desabafo...

Uma coisa que sei é que, SE eu quisesse ser mãe, tentaria a adoção. Porém, confesso, não sei se quero ser mãe... Confesso ainda que não sei até que ponto esse “não saber” é fruto genuíno da minha vontade e até que ponto é medo de expor uma criança ao preconceito da sociedade (atenção: medo de expor A CRIANÇA). Realmente acredito que blogs são espaços de troca e que podemos aprender muito umas com as outras... Então, muito mais do que dizer qualquer coisa, quero ouvir vocês, queridas leitoras: Vocês têm uma opinião formada sobre a maternidade lés? Muitas de vocês são mães?! E como é o dia-a-dia das crianças, elas sofrem ou já sofreram muito preconceito?! Acho que essa troca seria muito válida para todas nós... Ficarei feliz se houver interação nos comentários... Realmente gostaria de ter oportunidades de olhar a questão por diferentes pontos de vista.

Bem, é isso... Perdão se o post de hoje foi pessoal demais... Realmente vocês me pegaram num momento mais intimista... É que ando sensível... Deve ser saudades da PehNoir...


13 comentários:

Carol Sá disse...

ADOROOO textos sinceros, geralmente são os que dão mais medo de postar mas tb são os que recebem as melhores críticas, e acho q é porque qdo nos mostramos dessa forma as pessoas se identificam porque normalmente é o que elas sentem tb e sempre gostamos de nos identificar em textos!
Entaum agora vamos ao assunto do post. já que VC pediu a opnião de cada uma vou dar a minha. Eu acho q varias coisas implicam na vontade de ser mãe, uma delas com certeza é uma certa independência (pelo menos pra mim sim) eu penso muitas vezes que gostaria de ter um filho agora com 20 anos, mas isso não seria muito benéfico para criança a começar porque eu naum tenhu uma estabilidade... Mas uma coisa eu sei, quero sim ser mãe! Agora tem o fato de que sou hetero e vai ver por isso se torna mais fácil pra mim ter esta decisão,porque como vc disse em outro post. ninguém sai por ai se assumindo hetero e ninguém vai "tirar onda" com uma criança na escola porque ela eh filha(o) de pais heteros. Acho que essa preocupação que vc colocou de expor a criança realmente é muito séria... todas nós sabemos que crianças são um amorzinhu mas tb qdo querem ser ruins elas conseguem, e imagino que não seria fácil pra uma criança receber críticas de seus coleguinhas de escola. Mas ai vem aquela questão, como eh q conseguiriamos mudar este preconceito que já vem desde crianças se não tomarmos atitudes que possam reverter a situação. Acho que se toda lés. desistisse de ser mãe por medo de q a criança possa passar por situações constrangedoras, acabaria não ajudando em nada em diminuir o preconceito. Tabus só podem ser derrubados se são confrontados de frente! É eu sei o que vcs podem estar pensando, "pra vc eh facil falar isso", não tenho duvidas de que pra mim é bem mais fácil... Mas acredito no direito a liberdade de escolha e acho q gays tem tanto direito qto os heteros de serem pais e mães.
Lezjour agora um recado pra vc, essa sua preocupação com medo de expor futuramente uma criança ao preconceito da sociedade, já naum seria uma preocupação de mãe?rs
ameiii o textoooo!!!!!!

vi disse...

Puxa adorei esse assunto, porque vira e mexe sempre me pego a pensar em como é ser mãe???
Como disse a Carol prá ela é bem mais fácil.
É uma preocupação a menos... Poxa! mas hoje as crianças estão expostas a tantas coisas negativas... E ser filha ou filho de pais do mesmo sexo não é uma coisa negativa... e sim altamente positiva desde que seja motivadas por sentimentos como: Não só a vontade mas também o AMOR, RESPEITO, a cumplicidade, o quer duplo. Essa criança será um ser tão ilumindado... Que o posicionamento alheio não a afetará.
Vixe! eita visão utópica não?! (risos)...Mas ser mãe é isso é o nascer do instinto ... o do quer o melhor e nada pode ser melhor que um ambiente com todos esses adjetivos descritos acima não é mesmo?! (risos). Abraços... e como dizem por aqui Ganbatte!!! (força!) Tenha uma ótima semana.

vi disse...

...ah! um ps. ... quando digo as crianças estão expostas a tantas coisa negativas... me refiro a outros tipos de preconceito, não só o de ser filho ou filha de pais do mesmo sexo. Ok. (risos).

Equídina disse...

Quero ser mãe, isso eu sei, ou talvez pãe, até pq de certo modo o fato de engravidar, como engravidar, passar 9 meses esperando, sentir a dor do parto, ver minhas emoções cada vez mais instáveis não me é muito animador.Mas de qualquer forma, acho que toda mulher manifesta a sua maternidade de alguma forma, elas cuidam de bicho, elas cuidam de suas famílias, de suas companheiras, no meu caso, eu era mãe de uma corujinha linda que infelizmente faleceu.Mas de qualquer formas nos sempre manifestamos nossa vontade de ser mães.Por isso muitas mães adotam mesmo podendo ter filhos, a vontade de dar amor que as mulheres tem é tão grande que algumas pessoas não esperam nem o tempo de fazer, já arrumam um pronto!(rsrs)
Acho que não importa de que ou de quem, toda mulher é um pouco mãe!
Com relação ao preconceito vivido por um filho de um casal homo, só depende de criação, preconceito ele vai viver de qualquer jeito, crianças são crueis, tudo é motivo pra preconceito, mas é ai que se faz a diferença, o filho de um casal homo vai aprender que diversidade é totalmente normal, citando o filme TARZAN da Disney( amo a Disney), não importa o que vc é, por dentro, nossos corações são sempre iguais!
E botando de lado toda essa filosofia...Eu quero mais é ser mãe, criar meus filhos e dar amor a eles ensinar a ter orgulho de ser amado, o que os outros pensam não me importa, não vou deixar os meus sonhos por causa de uma meia dúzia hipócrita!

Parabéns pelo assunto abordado!
Mandou muito bem!

LezJour disse...

"Lezjour agora um recado pra vc, essa sua preocupação com medo de expor futuramente uma criança ao preconceito da sociedade, já naum seria uma preocupação de mãe?rs"

CAROL, vc é fogo!! rs
Essa resposta fica incógnita...
...Muito embora lá no fundinho, acho que eu saiba a resposta...

beijão e thanks pelo comentário!!

LezJour disse...

VI,

Se a visão é utópica?... Bem, você está falando com uma idealista aqui do outro lado, rs... Sou suspeita pra falar...

Concordo contigo quando vc diz que a criança, independente da orientação sexual dos pais, estará exposta a uma série de preconceitos...
Acho que não tem jeito mesmo,né?! Faz parte da vida... Crianças não lidam bem com as diferenças (como se os adultos lidassem muito melhor, rs)... Bem, tudo isso faz parte da aprendizagem social...
... De qualquer forma, a realidade é que, na prática, acho que eu daria (atenção, futuro do pretérito!!!!!rs) uma big mãe SUPER PROTETORA, rs...

Um abraço, obrigada pela interação.... Ótima semana pra você tb!

LezJour disse...

EQUÍDINA,

Gostei tanto destes dois trechos que terei que repetí-los:

"é ai que se faz a diferença, o filho de um casal homo vai aprender que diversidade é totalmente normal"
[...]
"Eu quero mais é ser mãe, criar meus filhos e dar amor a eles, ENSINAR A TER ORGULHO DE SER AMADO"

...Quem mandou muito bem por aqui, foi você!
Obrigada por comentar!

Lilian disse...

Olá... tenho acompanhado esse blog faz um tempo... mas não tinha feito nenhum comentário por aqui ainda... mas achei q sobre esse assunto eu deveria comentar!
Eu tenho 22 anos e tenho uma filha de quase 2 anos! E confesso... ela é tudo pra mim!!!
Sabe.. as vezes tenho um dia super cansativo.. estressante... mas quando chego em casa e minha filha vem e me abraça... ou da aquela gargalhada gostosa dela... nossa... eu ganho o meu dia... esqueço de tudo...
Sério mesmo.. é maravilhoso ser mãe!! Pode dar trabalho.. ser muito difícil.. ainda mais no meu caso q sou mãe solteira... mas no final, sempre vale a pena!
LezJour... eu sei q no seu caso é mais complicado.. e eu teria a mesma preocupação, se fosse vc... não só com preconceito em si, mas principalmente com violência proveniente do preconceito... q tá cada vez mais absurda!
Mas sinceramente... se vc quiser ser mãe mesmo... (e eu acho q no fundo vc sabe se quer)... preconceito nenhum deve te impedir!
Se vc tiver um filho um dia... vc vai ver... a hora q ele segurar seu dedo pela primeira vez, sorrir pra vc... a hora q te chamar de mamãe pela primeira vez... são momentos como esses q vão fazer vc lutar contra qq preconceito mais do q nunca... e vão fazer vc perceber q não há pessoa no mundo capaz de enfraquecer os laços de uma mãe e um filho... independente se a mãe é hétero ou lésbica, branca ou negra, gorda ou magra...
Preconceito existe... contra todo tipo de coisa... cabe a nós decidir como vamos encarar tudo isso... se vamos deixar a sociedade ditar as nossas escolhas ou se vamos usufruir do nosso livre-arbítrio e buscar nossa felicidade!!!
Ótimo texto! Parabéns!!!

vi disse...

Lezjour... rsss. porque futuro do pretérito e não futuro do presente?! rsss.

Lilian ... agora me deu mais vontade de ter um ser tão especial que me faça pensar em mim na segunda pessoa de forma tão natural.
Amei ter alguém capaz de tirar todas as coisas ruins com um simples tocar, um simples sorriso...
Hummm eu quero! (risos)
Parabéns para você... muita luz! e continue aproveitando o máximo esse ser tão especial que Deus lhe enviou.
Puxa... perigo! esse blog vicia... rsss.

Lilian disse...

Obrigada Vi!!! Pode ter certeza q eu aproveito ao máximo cada momento com a minha filha!

PS: Esse blog vicia mesmo... rss...

LezJour disse...

LILIAN,

Poxa, que bom que você resolveu escrever aqui! É sempre muito gratificante esse retorno de quem lê o blog... Muito bom saber como o que escrevo é recebido por cada uma de vocês, e muito bom quando vcs expressam suas opiniões, sentimentos e experiências...
...Acho que vc tem razão, no fundo, eu sei sim o que quero... E é muito bom entrar aqui e ler o depoimento inspirador de uma mamãe muito feliz!! Tudo de bom à você e sua filhinha!!!!!

==============================

VI e LILIAN, vou começar meu fim de semana com o pé direito depois desse último comentário de vocês... E prometo que eu e PehNoir vamos nos esforçar pra que o blog continue viciante!!!
Valeu meninas!!!!

Nathyerose disse...

Sou mãe!! Meu filho veio de um casamento de quase 9 anos, casamento esse conturbado, triste, infeliz...muito doloroso...
Após eu ter me separado, e assumido a minha sexualidade, eu tento brigar na justiça pela guarda do meu filho que hoje, aos 10 anos mora contra a vontade dele com o pai...
Mais não é tudo tão facil meninas...tudo é complexo pra quem está vivendo...

Meu filho ja entende e aceita as coisas relacionadas a minha sexualidade, apesar de eu ainda não ter falado claramente sobre o assunto com ele. Estou esperando, dando ao tempo, o seu tempo.

Axo que tudo acontece da melhor forma quando se está na hora certa.
Talvez esse desejo da maternidade não tenha ainda surgido em muitas de nós, por ainda não ser o momento certo.

LezJour disse...

ROSE,

Muito obrigada pela participação... Por ter decidido compartilhar conosco aqui algo tão pessoal... E importante...

Confesso que sinto um aperto no peito de ler seu relato... Uma angústia... Tento imaginar como vc se sente... Deve ser uma dor imensa...Mas olhe, FORÇA!!

Estou na torcida pra que vc consiga a guarda dele! De coração!

Pingar o BlogBlogs

pro seu blog

Copyright © 2008 The L Word - Blog Brasil. All Rights Reserved