A Era do Fast Love...

| |

Geralmente, os momentos que antecedem à escrita de um post são momentos de grande ansiedade pra mim. Costumo ter alguns temas já planejados na cabeça e fico pensando sobre qual deles estou com mais inspiração pra escrever naquele determinado momento... Algumas das vezes, abandono todos os assuntos nos quais já havia pensado previamente para seguir uma nova linha de raciocínio que surge ali, na hora... Isso é o que duas pessoas com as quais tive/tenho o prazer de conviver e as quais admiro muito (Bruna Eliza e Mauro Betti) chamaram de “planejamento hipotético aberto às possibilidades” em um trabalho apresentado em um Congresso de Educação Física ano passado... E aí entra a semiótica, e a maneira como cada ser humano interpreta os signos que recebe do ambiente... Mas bem, explicar isso foge dos meus objetivos aqui... Além de quê, confesso que teria que estudar semiótica pra me atrever a falar de modo aprofundado sobre (assim à queima roupa admito que não tenho cacife não... rs)...

Bem, retomando o fio da meada... O fato é que hoje é mais um desses dias em que decidi abandonar todas as cartas marcadas para me prender a uma nova inspiração... Tudo culpa do Arnaldo Jabor! Ou melhor, tudo culpa de uma frase que li numa crônica dele no jornal de ontem:

“O amor tornou-se um software que pilotamos, com o controle das emoções programadas”.

Ler essa frase incomoda, não é mesmo?! Pois é... Incomodou-me tanto que não me sai mais da cabeça... Sim, sou dessas pessoas que quando encana com uma coisa fica martelando-a por dias e dias (minha mãe diz que penso demais na vida. Acho que ela está certa. Só não consigo ver essa característica de modo negativo)... Acho até que é por isso que estou escrevendo a frase aqui, pra ver se me livro dela... Ela me deprime... E me deprime porque concordo com ela.

No sistema Neoliberal em que infelizmente vivemos (sim, sou ANTI-CAPITALISTA de carteirinha!!... Mas também não sou Socialista, acho que o socialismo é inviável... Creio que precisamos de uma Terceira Via...) o Amor também virou uma mercadoria, assim como todo o resto... Virou algo transgênico... E genérico... Virou aquilo que Arnaldo Jabor chamou de “Fast Love”, numa analogia clara aos Fast foods. Pois é, parece-me mesmo que as pessoas transformaram o amor em um produto que você escolhe na prateleira... Você chega, olha bem as embalagens, escolhe a mais apetitosa dentre aquelas que têm o preço que você está disposta a pagar e leva pra casa... Aí, é só consumir o produto e jogar a embalagem no lixo no dia seguinte... Simples assim! Sem perda de tempo, sem dor de cabeça, sem vínculo emocional... É só o prazer pelo prazer, e nada mais. Sim sim, essa é a Era do Fast Love... E ela me enoja... E recuso-me solenemente a participar dela.

Isso me lembra de um livro que gosto muito, talvez o melhor livro que já tenha lido: Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley. É um livro de ficção que trás uma visão futurista da sociedade (baseada, obviamente, na visão crítica do autor sobre nossa sociedade atual), mostrando um mundo onde não há mais Amor. Os encontros entre as pessoas destinam-se unicamente à satisfação das necessidades sexuais. Emoções?! Sim, existem... Quando os personagens sentem falta de uma ou outra emoção, eles as tomam em cápsulas... (Essa é uma leitura que realmente recomendo. Mas só pra constar, o livro não é só sobre isso... Ele traz toda uma crítica genial à bestificação do ser humano, à estratificação da sociedade, às linhas de produção, à ciência sem ética, e por aí vai...).

Pra finalizar, o que fico me perguntando é: Será que as pessoas desaprenderam a AMAR?! Será que teremos uma geração de pessoas solitárias, carentes e depressivas (a indústria farmacêutica e a indústria de bebidas alcoólicas agradecem!)?!? Aliás, será que teremos (futuro), ou será que já temos?! Porque eu vejo tanta gente sem compromisso nenhum com nada... Nem com as pessoas, nem com a própria vida... E é claro que vejo gente que acredita no Amor... Mas infelizmente muitas dessas pessoas se desesperam e saem por aí afobadas, como que se oferecendo em uma bandeja (e olhem, nem se for em bandeja de prata vai funcionar)... Quase que implorando por Amor... Só falta colocar anúncio nos classificados... O que nada mais é do que transformar o Amor em mercadoria, novamente... O que mostra que as pessoas não sabem o que é o Amor...

Não adianta procurar pelo Amor... O Amor simplesmente acontece... Nasce do conhecimento mútuo... e se fortalece na compreensão das diferenças... Mas para isso as pessoas precisam se permitir... E não dá pra pegar um atalho, não existe um caminho mais curto... Amar dá trabalho... Exige entrega, exige concessão, exige cuidado diário... Mas é o que faz a vida ter sentido... Precisamos disso... E eu espero que ainda haja pessoas no mundo que acreditem no Amor... Não no fast love, mas naquele Amor antiquado (ironia)... Naquele querer a apenas uma pessoa, até que a morte as separe... Eu sou uma dessas pessoas caretas que ainda acreditam...

4 comentários:

Carol Sá disse...

Uau!
Vc literalmente me deixou sem palavras, e PUTSS isso é difícil porque eu falo muitoo!!!
O texto esta simplesmente lindo! Já te disse que adoro qdo as pessoas se expõem um pouco mais nos textos, eles ficam tão mais intensos, fortes... Eu concordo plenamente com o q vc disse, é enojador ver a vulgarização do amor, e a forma como as pessoas o tratam ultimamente. Eu tb tenho minhas caretices com relação ao amor, e ainda acredito (mesmo estando dificil ultimamente) que ele realmente exista. Eu fico impressionada as vezes, com a facilidade que as pessoas tem de descartar "amores", eu simplesmente não consigo fazer isso qdo eu amo de verdade é alguém é muito complicado "descartá-lo". Eu penso que as vezes seria melhor ser da geração "fast love"...mas 1 segundo depois eu vejo que naum!! Deixa eu da maneira que sou e que penso mesmo... posso acabar sofrendo mais desta maneira, mas prefiro assim!
p.s: eu ja disse que ficou lindu o texto?huahuahuauhahua
p.s2: finalmente escolheu fotos bonitas!rsrsr

PehNoir disse...

Acabei de chegar do São João... Nas montanhas... E havia um PC... Tudo perfeito... Mas agora eu vi q tudo não estava tão perfeito.

... Faltava este q pra mim é um post memorável... Vc, menina, vai aos pouco conquistando espaço. E não espaço físico... Espaço emocional.

Se vc continuar assim... Terei q pedi-la em casamento e assim teremos que viajar pra Califórnia... Pq farei questão do Véu e da Grinalda.

Bom voltar.

Lao disse...

Concordo plenamente com vc. Hoje há uma banalização desse sentimento, o amor ficou descartável, como se pudêssemos encontrar um sentimento tão puro e raro em qualquer esquina. Tambem sou careta, quero um amor comprometido, com companherismo, pra dividir pra somar, pra multiplicar, rsrs. Enfim, pra tudo e algo mais. Adorei o texto!!!

Nara Rúbia disse...

Puxa vida...Num dia me emociono com o post de PehNoir (Vicious & Delicious com Amor e Afeto)...Aí vem o Jabor e joga um "balde de água fria"?! Não!!!..."(Se isso vem sendo a atual realidade...quero o sonho)...é fundamental sonhar...acreditar...nos permitir exercitar pensamentos positivos...
Então para tal...vamos fazer o seguinte...demitimos o Jabor...substituimos suas crônicas pelos textos e imagens(maravilhosos) deste blog...pois é disso que precisamos...

LezJour, seu post ficou completo! Vc apresentou, criticou...e concluiu lindamente...se me permite citá-la...

"Não adianta procurar pelo Amor... O Amor simplesmente acontece... Nasce do conhecimento mútuo... e se fortalece na compreensão das diferenças... Mas para isso as pessoas precisam se permitir... E não dá pra pegar um atalho, não existe um caminho mais curto... Amar dá trabalho... Exige entrega, exige concessão, exige cuidado diário... Mas é o que faz a vida ter sentido... Precisamos disso... E eu espero que ainda haja pessoas no mundo que acreditem no Amor..."

Eu acredito no AMOR...quando vejo imagens como as colocadas por PehNoir e as última colocadas por vc...minha fé aumenta...e são coisas deste tipo que quero ver...ler...É disso que as pessoas precisam...estímulos à Fé...

Ei...Parece que o Amor está batendo à porta...Quando é mesmo que vamos pra Califórnia? (não esqueçam da madrinha)...rsrsrs...

Brincadeiras à parte...Obrigada por mais este lindo post...Beijoks...

Pingar o BlogBlogs

pro seu blog

Copyright © 2008 The L Word - Blog Brasil. All Rights Reserved